Policial

Vítima, moradora de Mauá, foi encontrada em Petrópolis, na terça-feira (9).

0140912-wa0003

A Polícia Civil de Petrópolis, na Região Serrana do Rio, prendeu por volta das 23h desta quinta-feira (11) Joel Correa da Rosa, de 63 anos. Ele é suspeito do assassinato de Claudia Gonçalves Kimel, de 56 anos. O corpo foi encontrado nesta terça-feira (9) em uma ribanceira no bairro Caxambu. Os policiais também encontraram a arma utilizada no crime, uma faca, que estava em uma casa vizinha de onde o casal morava, em Mauá. Segundo a polícia, Claudia foi morta em casa pelo companheiro que levou o corpo para Petrópolis na tentativa de ocultá-lo. Ele confessou que agiu em uma briga para se defender e não tinha intenção de matá-la.

Ainda de acordo com a polícia, o casal morava na Praia do Imperador, no local conhecido como Figueira, e Joel subiu a serra logo após ter assassinado a companheira. O juiz da 1ª Vara Criminal expediu o mandado de prisão temporária e Joel foi encaminhado para a 105ª Delegacia de Polícia.

O carro de Joel, um Pálio vermelho, também foi apreendido. O automóvel ficou com as rodas presas na lama no momento em que o homem jogou o corpo da companheira na ribanceira.

“Algumas pessoas o ajudaram a ‘desatolar’ o carro e foi assim que em menos de 12 horas conseguimos identificá-lo”, explicou o inspetor chefe do setor de homicídios, Renato Rabelo, acrescentando que as testemunhas disseram que ele estava calmo. Segundo o delegado titular, Alexandre Ziehe, responsável pelo caso, Joel recebeu voz de prisão dentro da UPA de Piabetá, onde buscou atendimento.

“Ele havia prestado declarações sobre o desaparecimento de Claudia naquela distrital e alegou que estava sentindo dores no peito”, contou o delegado.

Os policiais vão investigar se o caso é de crime passional. A mulher já havia feito registros na 66ª DP por agressões sofridas do companheiro. Ele alega ter sido atacado por ela na noite do crime e por isso acabou esfaqueando, mas sem querer matá-la. A mulher foi jogada no matagal sem roupa e o laudo da perícia do Instituto Médico Legal (IML) constatou que ela foi estuprada antes de ser assassinada.

O homem trabalhou como taxista, por isso, conhecia o local escolhido para a “desova”. A Estrada José Amado, que liga Vila Isabel ao Caxambu, na localidade conhecida como Curva do Caixão, é deserta e o corpo foi jogado na ribanceira entre 23h e meia noite de segunda-feira (8), segundo a polícia.

Perícia concluiu que mulher foi morta pelo marido durante abuso sexual, vitima teve faca apontada para o peito e teria escorregado durante o ato.

O inquérito da Polícia Civil de Petrópolis, na Região Serrana do Rio, concluiu que Claudia Gonçalves Kimel, de 56 anos, foi morta pelo marido durante uma relação sexual forçada. Segundo o laudo da perícia, Joel Correa da Rosa, de 63 anos, apontava a faca para a mulher durante o ato. Ela teria escorregado e se projetado contra o objeto. Segundo o inspetor chefe do setor de homicídios, Renato Rabelo, Joel estava abraçado com a mulher, posicionando a faca no peito da companheira. “O objeto entrou entre duas vértebras. Ele estava atrás, com o braço ao redor dela. Provavelmente ela escorregou durante o ato sexual, se jogando contra a faca”, explicou o policial.

Nesta quinta-feira (17), a perícia também realizou o teste com luminol (substância química que aponta a presença de sangue) no carro de Joel, um Pálio vermelho utilizado para o transporte e a ocultação do corpo. O reagente mostrou a presença de sangue no banco da frente e trás do automóvel. O teste foi feito na presença do delegado titular da 105ª DP, Alexandre Ziehe, de um perito legista, de um papiloscopista e de um técnico em necropsia no pátio da delegacia.

O marido da vítima ficou com o carro preso na lama no momento em que jogava o corpo na ribanceira, em Petrópolis. Ele recebeu a ajuda de populares que, na hora, não desconfiaram de Joel. O incidente facilitou a localização do suspeito, que foi preso dois dias após o crime.

O corpo de Claudia foi encontrado no dia 9 de setembro em uma ribanceira no bairro Caxambu. O crime foi cometido na residência do casal, em Mauá, no Rio de Janeiro. Joel foi preso pela equipe do setor de homicídios da 105ª Delegacia de Polícia no dia 11.

Magé5-330x1224

Fonte: G1

 A ação começou de madrugada e teve como objetivo cumprir 41 mandados de prisão.

1cao-alemao-prisao-operacao

A operação Urano realizada, nesta quinta-feira, prendeu 26 pessoas e quatro menores foram apreendidos, no Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio. Entre os presos está Edson Silva de Souza, conhecido como ‘Orelha’, que é apontado como o chefe do tráfico das comunidades Nova Brasília e Fazendinha. Outros dois gerentes do tráfico de drogas também estão entre os detidos. A ação começou de madrugada e teve como objetivo cumprir 41 mandados de prisão preventiva e sete de busca e apreensão de adolescentes. Não teve confrontos na região.

Do total de presos, 22 fazem parte da denúncia oferecida pelo Ministério Público contra integrantes do grupo responsável por diversos ataques a ônibus e até à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da comunidade. Duas pessoas foram presas em flagrante com drogas e outras duas já tinham mandados de prisão contra elas.

2p-prisao-alemao

Ordem para ataques

Apontado pela polícia como gerente geral do tráfico nas favelas Nova Brasília e Fazendinha, no Complexo do Alemão, Igor Cristiano, o King, é um dos procurados. Ele foi flagrado, em escutas telefônicas interceptadas pela polícia, ordenando o ataque à UPA e UPPs da comunidade. Nas ligacões, Igor pede que sua companheira, Risodalva Barbosa dos Santos, a Paraíba, execute os ataques. O casal está entre os 41 acusados de fazerem parte do tráfico no Alemão que tiveram as prisões preventivas decretadas pela Justiça.

Numa das ligações, em 28 de abril, King determina que seus comparsas destruam a UPA do Complexo, que fica na Estrada do Itararé. Na noite daquele dia, a unidade de saúde foi totalmente depredada. No dia anterior, o traficante foi flagrado numa escuta pedindo para que sua companheira, Paraíba, atacasse as UPPs. Ela informa, então, que já havia reunido um grupo de 50 pessoas para a tarefa.

Ainda nas escutas, membros da quadrilha foram flagrados determinando ataques a policiais, e inclusive comemorando quando um deles foi atingido durante confronto com homens armados.

3etuno-prisao-alemao

King é acusado de ser o segundo homem na hierarquia do tráfico na Nova Brasília e Fazendinha. De acordo com denuncia do Ministério Público, ele é responsável por receber toda a prestação de contas de todos os gerentes das diversas bocas de fumo e contabilizar os lucros. Já o número 1 da quadrilha, de acordo com o MP, é Edson Silva de Souza, o Orelha.

A quadrilha foi denunciada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MP pelos crimes de tráfico, associação para o tráfico e dano ao patrimônio público.

- O Judiciário, como um dos Poderes constitucionalmente constituídos não pode ignorar este grito da multidão. O povo quer e precisa, antes de ter cultura, saúde e dinheiro é de paz e tranquilidade no seu cotidiano e nós, enquanto Juízes, podemos e devemos dar a essa sofrida população a paz e a tranquilidade almejadas – afirmou o juiz Alexandre Abrahão, ao decretar as prisões dos 41 denunciados.

4mandado-prisao-mp

Tráfico de drogas

A atuação dos traficantes do Alemão não ficava restrita ao maior complexo de favelas do Rio. De acordo com a denúncia do Ministério Público estadual, os criminosos fornecem entorpecentes para a favela do Rola, em Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio, dominada pela mesma facção criminosa. Dos acusados, quatro – Bruno Pereira dos Santos o BR, Alex Freire da Paz, o Negão, Mateus da Conceição, Bodô e Wandersom Gomes da Silva, o Neguinho – são apontados pelo MP como responsáveis por receber as drogas do Alemão no Rola. Já Juliane Cristina de Oliveira é, de acordo com a denúncia, uma das responsáveis por levar as drogas para a comunidade da Zona Oeste sob as ordens do chefe do tráfico das favelas Nova Brasília e Fazendinha, Edson Silva de Souza, o Orelha.

Investigação

A polícia ainda prendeu Carlos Henrique Alves da Rocha, de 39 anos, que era considerado foragido da Justiça. Ele foi preso em casa na comunidade Nova Brasilia. Agentes da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) também ajudam na operação no Complexo do Alemão, nesta quinta-feira. Participam da operação 300 policiais civis de diversas delegacias distritais e especializadas. A ação é resultado de uma força-tarefa de investigação da 45ª DP (Complexo do Alemão) e da Subsecretaria de Inteligência (SSINTE) da Secretaria de Estado de Segurança, com apoio do Grupo de Apoio Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público Estadual.

6prisao-operacao-alemao

A investigação, que resultou nesta operação, começou há oito meses e teve como objetivo identificar os responsáveis por tentar desestabilizar o processo de pacificação na comunidade. O trabalho comprovou que, após a prisão de traficantes da região, uma facção criminosa determinou reações violentas, como forma de retaliações às ações da polícia.

Segundo as investigações, os traficantes resistentes à pacificação adotaram nova estratégia de sobrevivência como, por exemplo, a cooptação de menores de idade e pessoas sem anotações criminais para atuarem na linha de frente, seja vendendo drogas ou atuando como “braço armado”.

8lemao-operacao-prisao

Também foi possível constatar que a criminalidade acompanhava o deslocamento dos policiais pela comunidade, a partir da troca de mensagens via celular. Muitas vezes, eles ficavam em frente à sede da UPP monitorando os passos dos policiais militares, dificultando a prisão em flagrante de criminosos.

Magé5-330x1224

 Fonte: Extra

 

 

 

 

 

 

Marco Aurélio matou o pai, Manuel Henrique Filho, de 54 anos, com três tiros, dentro de casa

1m-upp-preso-ceara

Acusado de matar o pai, o soldado Marco Aurélio da Silva Henrique, de 26 anos, que era lotado na UPP Arará Mandela, na Zona Norte do Rio, foi preso na última sexta-feira no bairro Lagoinha, em Guaraciaba do Norte, no Ceará, pelas polícias Civil e Militar do estado. Ele estava na casa da namorada, que é menor de idade e também é suspeita de participar do crime. Contra ela, no entanto, ainda não há mandado de apreensão.

 2pm-mata-pai

Marco Aurélio matou o pai, Manuel Henrique Filho, de 54 anos, com três tiros, dentro de casa onde eles viviam, em Piabetá, distrito de Magé, na Baixada Fluminense, no dia 24 de agosto deste ano. De acordo com as investigações da Polícia Civil do Rio, antes do crime, o soldado vinha se desentendendo com os pais por causa da namorada, que morava no Complexo de Manguinhos.

a3ma-pm-preso-ceara

O corpo de Manuel foi encontrado no dia seguinte ao crime, na localidade de Raiz da Serra, em Magé, que fica na subida para Petrópolis.

Na casa da família da namorada do acusado, as polícias do Ceará encontraram sua carteira funcional da PM, além de fardas e uma arma que pertence à corporação e a Polícia Civil do Rio suspeita que tenha sido usada no crime. O soldado ainda está preso no Ceará.

 4farda-pm-preso-ceara

Marco Aurélio estava cedido ao Batalhão de Grandes Eventos até o fim de julho, quando aconteceu a Copa do Mundo. Quando deixou o batalhão, o policial entrou de férias e não devolveu a arma que usava durante o serviço, que pertence ao 22º BPM (Maré).

Magé5-330x1224

Fonte: Extra

 

 

 

 

 

Entenda como as duas Cidades se preparam para enfrentar a crescente onda de Criminalidade.

IMG_6549

Quinta-feira, 11 de setembro, a Câmara Municipal de Magé, através de audiência pública, abriu debates para buscar soluções para os crescentes índices de criminalidade na cidade. Capitaneado pelo vice-presidente do poder legislativo, vereador Leonardo da Vila,  contou com a participação de todos os envolvidos do segmento de segurança pública, seja do Estado ou do Município.

IMG_6614

 Para somar esforços na empreitada, foi convidado a participar das ações o presidente da Casa Legislativa de Guapimirim, vereador André Azeredo, policial militar, hoje vereador, conduziu o Primeiro Fórum de Segurança Pública do Município de Guapimirim. Os dois parlamentares, dotados de ampla experiência no segmento da segurança, resolveram dar as mãos e montaram uma força tarefa para acabar com um dos principais focos de criminalidade nas duas cidades, o tráfico de drogas.

Segundo dados da Secretaria de Segurança pública do Estado do Rio de Janeiro, as duas cidades sofrem do mesmo mal, a investida de traficantes nas ações criminosas. Quem vive nas cidade de Magé e de Guapimirim, convivem todos os dias com disputas territoriais de pontos de distribuição de drogas, ‘Bocas de Fumo,’ comandadas por traficantes da Capital e outras cidades. No Fórum, um índice costumeiro chama a atenção das autoridades presentes, diferente do que todos pensam, não há migração de traficantes nas duas cidades, o que há é uma prática já detectada nas incursões da PM e nos registros das delegacias locais, o ‘Estica,’ são jovens e menores aliciados pelos traficantes, que fornecem as drogas para serem vendidas nos pontos de distribuição, com garantias de gerentes de ‘Bocas’ que servem a traficantes de fora da cidade.

A movimentação e distribuição dos alucinógenos, fonte de renda nas comunidades, são alvo de disputas de facções adversárias que promovem um verdadeiro genocídio de proporções descontroladas e absorvem grande demanda de efetivo policial para controlar a ordem.

Com representantes de competência comprovada na busca de soluções, os dois parlamentares se organizam para envolver cada vez mais todas as autoridades das região e a sociedade civil, para um esforço coletivo, objetivando minimizar os impactos sofridos pela população nos últimos anos.

Sem dúvidas as instalações das UPP’s na Capital colaboraram para que as cidades do entorno carioca fossem o novo paraíso dos traficantes, que muita das vezes comandam o comércio ilegal do interior das unidades prisionais do Estado, através do celular.

Do encontro, duas medidas foram motivo de consenso na discussão da audiência. Primeiro um Fórum de caráter regional, visto que outras cidades vizinhas sofrem com o mesmo problema das cidades em pauta, Magé e Guapimirim, haja vista, que Duque de Caxias, cidade que faz divisa com Magé é o sinalizador de maior incursão de crimes apontada pela mancha criminal do 34º BPM, ‘Índice de acompanhamento do deslocamento do Crime,’ observado pelo comando da Polícia Militar. Outro aspecto que ficou latente, foram os números de efetivo policial disponíveis para as áreas de Magé e Guapimirim, municípios de atuação do 34º BPM.

‘A proposição das ações são necessárias e em regime de urgência.’ Acrescentou Leonardo da Vila. André Azeredo, reiterou as palavras do companheiro e pontuou dizendo que ‘O caminho é discutir estratégias com todos os segmentos da sociedade civil, comerciantes, munícipes e autoridades, uma mobilização participativa que não passe somente pela esfera dos poderes constituídos, mas toda sociedade, porque é ela, a maior prejudicada e receptora dos danos causados pelas ações do crime, da juventude que se perde para o vício e na vida do ganho aparentemente fácil, nas mortes que interrompem precocemente e as famílias que se debruçam no desespero da perda, que incansavelmente discusa o nobre edil Leonardo da Vila, na tribuna deste Poder, O maior Patrimônio da nossa cidade, o ser humano.’

ScreenShot013IMG_6552IMG_6602IMG_6570
IMG_6580IMG_6577IMG_6576IMG_6542
IMG_6641IMG_6543IMG_6547IMG_6559

Estiveram presentes no evento os vereadores, Silmar BragaGeraldo Gerpe, Eliane Sepúlveda, representando a Comissão de Segurança Pública da Câmara Legislativa de Magé, neste ato presidido pelo vereador Leonardo da Vila, o Presidente da Casa Legislativa de Guapimirim, vereador André Azeredo, os Comandantes, Tenente-Coronel Carlos Eduardo Sarmento da Costa, comandante 34º BPM de Magé, também responsável pelo comando da 2ª Cia de Guapimirim, Tenente-Coronel Ranulfo Brandão, comandante do 15º BPM de Duque de Caxias, Tenente Coronel, José Macedo, do 3º CPA, Dr. Edson Freitas, presidente da OAB Magé-Guapimirim, o Secretário de Segurança Pública de Magé, Sérgio Venâncio , Nelson Vinagre, sub secretário, Antonio Magno, Policial Rodoviário Federal, Frank Matos, assessor parlamentar do vereador André Azeredo e Imprensa Local.

Magé5-330x1224

Antonio Alexandre, Magé Online.com

‘RG’, como é conhecido no mundo do crime é acusado de participar de confronto no bairro Lagoa.

ScreenShot012

Mais um jovem capturado por policiais da 65ª Dp de Magé, em cumprimento a mandados judiciais expedidos pelo poder judiciário do Estado do Rio de Janeiro.

Roger Milan Ferreira Mamede, vulgo ‘RG’, de 23 anos de idade, foi preso em Santa Cruz-RJ. Segundo agentes da 65ª DP de Magé, no momento da captura, Roger não ofereceu resistência. ‘RG’ é acusado de exercer a função de segurança da boca de fumo e suspeito de ter participado da troca de tiros em que culminou na morte do Cabo PM Melo, no bairro da Lagoa em Magé.

ScreenShot013

O delegado titular da 65ª DP, Dr. Robson da Costa, declarou que a operação denominada, ‘Caça ao Pato,’ continuará até que todos os procurados pela justiça sejam presos. Acrescentou que a operação acontece em todo Estado do Rio, haja vista as recentes prisões em outras regiões do Estado.

Audiência Em atenção ao aumento da criminalidade nas cidades de Magé e Guapimirim, nesta quinta-feira, (11/9), a Câmara Municipal de Magé, promoveu uma audiência pública, para discutir estratégias de combate a criminalidade na cidade e reuniu várias autoridades do segmento de segurança pública do Estado, município, incluindo a participação do presidente da Câmara Legislativa de Guapimirim, vereador André Azeredo, que se associou ao vereador Leonardo da Vila, para encontrar caminhos e soluções, objetivando diminuir a onda de criminalidade que se instaurou nas duas cidades. Esteve presente ainda os vereadores, Silmar, Geraldo Gerpe, Eliane Sepúlveda, o secretário de segurança pública de Magé, Sergio Venâncio, Nelson Vinagre, sub secretário, Dr. Edson Freitas, presidente da OAB Magé-Guapimirim, o comandante do 34º BPM de Magé, Tenente-Coronel Carlos Eduardo Sarmento da Costa, responsável pela área de Magé e Guapimirim, Tenente Coronel, José Macedo, do 3º CPA, tenente-Coronel Ranulfo Brandão, comandante do 15º BPM de Duque de Caxias. Um esforço conjunto na tentativa de minimizar as ações do tráfico nas cidades.

Antonio Alexandre, Magé Online.com

Jovem de 18 anos não resistiu aos ferimentos após ser baleado.

ScreenShot004

Ação de policiais do Serviço Reservado do 34º Batalhão da Polícia Militar de Magé, ao fazer incursão na rua Ceres, sem número, em atendimento a denúncia anônima de que naquele local havia homens portando arma de fogo, abordando moradores e veículos que passavam no local, imediatamente se dirigiram para o endereço citado onde constataram o fato.

ScreenShot001 ScreenShot002

Ao chegarem no endereço citado, foram recepcionados com diversos disparos vindos do grupo que participava da ação criminosa. No evento, o jovem, Jonathan Martins de Assis, 18 anos, foi atingido morrendo devido a gravidade dos ferimentos. Ao lado do corpo do rapaz, foi arrecadada o revólver Taurus calibre 38, usada por Jonathan.

A ocorrência foi registrada na 65ª DP de Magé.

Magé5-330x1224

Magé Online.com
Pesquisar
Exact matches only
">
">
">
">
Search in posts
Search in pages
Professional WordPress Plugins
EnglishFrenchGermanItalianNorwegianPersianPortugueseRomanianRussianSlovakSlovenianSpanishVietnameseYiddish


wp_flash_img_show will display here (config: Pub2)
wp_flash_img_show will display here (config: Pub1)